quarta-feira, 30 de julho de 2014

[Resenha] Sociedade dos Meninos Gênios

Autor: Lev AC Rosen
Editora: Novo Conceito
Páginas: 544

Sinopse: Chantagem, mistério, confusões de gênero, coelhos falantes e um assassino autômato: mergulhe na trajetória de Violet Adams, que assume a identidade de seu irmão gêmeo para conseguir uma vaga na mais prestigiada universidade de Londres, que é exclusiva para meninos. Inspirado em clássicos como Noite de reis, de Shakespeare, e A importância de ser honesto, de Oscar Wilde, SOCIEDADE DOS MENINOS GÊNIOS traça um retrato pitoresco e provocativo da aristocracia vitoriana, oferecendo diversão, aventura e uma reflexão bem-humorada sobre a questão do gênero.


Sociedade dos Meninos Gênios, conta a história de Violet Adams, uma jovem, que como outros, é cheia de sonhos. Seu maior sonho? Ingressar na Faculdade de Illyria, para jovens cientistas. Porém, a faculdade aceita apenas homens.

Violet, não desiste, e fara de tudo para entrar na faculdade. Então, ela se inscreve, usando o nome do seu irmão gemio, Ashton Adams, e quando vai entregar sua inscrição, ela vai como mulher, e conhece Ernest, duque de Illyria (diretor).

Violet, consegue entrar para a faculdade, então se veste de homem e se passa por seu irmão, e contara com a ajuda de Jack, que também entra para Illyria, e é o único que sabe de sua farsa.

O porão da faculdade é um lugar escuro, com muita poeira, cheio de mistérios, se ouve passos, coisas roçando em suas pernas, e assustadores autômatos (uma espécie de robôs). Violet conhecerá o lugar na noite do seu primeiro dia, na iniciação (que é como se foce aquelas brincadeiras de calouros).

Ela fará grandes amigos por lá, como Toby e Drew, alunos do terceiro e segundo ano, respectivamente e Cecily, prima do duque. Ela acaba se apaixonando por Ashton, que na verdade é Violet, e a mesma percebe que se passar por seu irmão será mais difícil do que pensava, ainda mais quando se torna vitima de chantagens. Ela terá que se cuidar, se quiser levar o seu plano adiante, ainda mais quando começa a sentir algo diferente por Ernest.

"Concordo plenamente com a afirmação do dr. Nordau de que todos os homens geniais são insanos, mas o dr. Nordau se esquece de que todos os de juízo perfeito são idiotas. Oscar Wilde". Página 6

Uma história inteligente, criativa, viciante, e muitos outros adjetivos. "Sociedade dos Meninos Gênios", é um livro completamente diferente dos que eu já tinha lido. Cheio de mistérios, chantagens, preconceitos, além de ser bastante engraçado. Uma das melhores histórias que eu já li. 

Envolve, ciência, ficção, romance, comédia, e muito mais. Sério, é muito viciante. E apesar de ser um livro grande, ele não é chato, em alguns momentos pode até ser, mas são poucas e curtas.

Meus personagens preferidos, com certeza é Violet, por ser tão criativa e determinada, Jack por ser tão engraçado e inteligente, Ashton irmão de Violet, por ser tão companheiro, além de Miriam, Toby e Drew. A capa, é muito linda, com a palavra "Gênios" em relevo e cheio de engrenagens. Se não me engano esse é o primeiro livro do autor, e sinceramente, eu leria mais livros dele com todo prazer.

Depois de tantos elogios, não tem como dar outra nota:

Nota: 10/10



terça-feira, 22 de julho de 2014

[Resenha] Guerreiros da Esperança

Autor: Andrea Hirata
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 277

Sinopse: A ilha de Belitung, na Indonésia, é riquíssima em recursos naturais, mas abriga contrastes sociais gritantes: de um lado, a grande empresa de extração de estanho, com suas modernas instalações e seus ricos executivos; de outro, o povo nativo, que vive numa miséria indescritível. É nesse cenário que a jovem professora Bu Mus e o diretor Pak Harfan tentam garantir a seus dez alunos o direito inalienável à educação. Eles têm que lutar contra as mais diversas dificuldades, como o estado decrépito do casebre em que as aulas acontecem, as constantes ameaças do superintendente escolar e as gigantescas escavadeiras, prontas para explorar o solo em seu terreno. Porém, o maior de todos os desafios é insuflar naquelas crianças a dignidade e a autoconfiança. E nisso os professores são bem-sucedidos. Juntos, seus alunos aprendem o valor dos amigos, conseguem descobrir o que há de melhor em cada um e conquistam feitos inéditos para sua pequena escola de aldeia. 

  Guerreiros da Esperança nos traz a incrível história de 11 crianças lutando contra a pobreza, a influência do capitalismo e a enorme disparidade social. Cada um com seus próprios problemas e dificuldades, enfrentando lutas diárias e matando um leão por dia, mas com a mesma vontade de vencer cada obstáculo. A grande inspiradora de sonhos desses pequenos é a pequena professora da aldeia, Bu Mus - uma mulher determinada a lutar pela educação e pelos sonhos de seus alunos.
   O livro é narrado por Ikal, um menino pobre e com sonhos. O primeiro deles era frequentar a escola e durante os anos desenvolve seus planos para o futuro: o plano A e o plano B, mas no final acaba concretizando o plano C.
  Durante os anos que estudam na miserável escola passam por grandes desafios e acabam quebrando alguns ''recordes''. Os guerreiros do arco-íris se mantêm juntos e passam por cada obstáculo juntos, com grande companheirismo e fidelidade.

    Eu já queria fazer essa leitura tem um bom tempo, e quando consegui começar não consegui terminar - por conta da correria que minha virou por causa dos estudos. 
    É um livro tocante, emocionante e todos os adjetivos que possam ser atribuídos por consequência de uma história tão bonita. Às vezes nos pegamos reclamando por coisas a fazer, por ter que estudar, por não ''aguentar'' mais tamanha correira ou rotina -me enquadro nesse grupo reclamão- e fechamos os olhos pra pessoas que apesar de todas as adversidades lutam pelos seus sonhos e tem em si a vontade de vencer. ´
        Não vou me estender, mas recomendo esse livro tanto quanto recomendo um romance -e olha que amo romances. É lindo e nos faz refletir sobre o que queremos e se estamos mesmo fazendo por onde conquistar nossos objetivos. 
     

sexta-feira, 18 de julho de 2014

TAG: 10 Perguntas Literárias

Olá pessoal, depois de tanto tempo sem postar nada diferente, eu volto com a tag: "10 Perguntas Literárias" que achei no blog Viciadas em Livros. A criadora da tag é a Ana Vitorino do blog Como Respira?. Achei a tag bem legal, e resolvi postar para vocês. Então vamos lá:

1. Qual a capa mais bonita da tua estante?
Tem muitas que eu gosto, mas acho a capa de "A Caçada" de Cliver Cussler é a que eu mais gosto. Talvez não seja a mais bonita, mas com certeza é a mais legal.



2. Se pudesse trazer 1 personagem para a realidade, qual seria?
Essa é difícil, mas eu traria Dumbledore ou a Minerva, de Harry Potter. Eles são um dos personagens que eu mais gosto e respeito.



3. Se pudesse entrevistar um autor(a), qual seria?
J. K. Rowling, com toda certeza do mundo. Não é segredo pra ninguém, que Rowling é minha autora preferida, sou super fã dela, não só por causa de Harry Potter, mas pela grande autora que ela é.



4. Um livro que não lerás de novo? Por quê?
"A Cabana", não é um livro chato, mas é cansativo, a leitura é meio lenta. Gostei do livro, mas não leria novamente.



6. Um casal?
Não sou fã de nenhum casal. Então não vou escolher um.

7. Dois vilões. (Pode ser tanto 2 vilões que goste, como 2 vilões que não goste).
Essa é fácil. Voldermort e Bellatrix. Meus vilões preferidos. São dois vilões impossíveis de odiar. Bellatrix é a minha preferida. E acho bem difícil achar um Potterhead que não seja fã dos dois.




8. Uma personagem que matarias (ou tiravas do livro)?
Não precisa nem pensar muito. Dolores Umbridge, essa mulher é uma vaca, ou melhor, uma cara de sapa. Até mesmo quando eu fui assistir "Malévola", eu não conseguia ver a Imelda Staunton, como uma fada, e sim como a desprezível Umbridge.



9. Se pudesse viver num livro, qual seria?
Com certeza nos livros de Harry Potter, mais precisamente em Hogwarts, ainda espero que minha carta seja entregue por uma coruja. "A esperança é ultima que morre".



10. Qual o teu maior livro e o mais pequeno? (Em termos de páginas).
Maior: "Sociedade dos Meninos Gênios" de Lev AC Rosen, com 544 páginas (resenha em breve).
Menor: "Animais Fantásticos e Onde Habitam" e "Quadribol Através dos Séculos" ambos da J. K. Rowling e com 63 páginas









Então gente é isso, quem quiser responder a tag fica a vontade, mas lembre-se de colocar quem criou a tag. Espero que vocês curtam e que se identifiquem. Nos desculpe por não estar atualizando o blog com frequência, como a Lud, já disse, estamos numa maratona de estudos para o vestibular e curso. Mês que vem já começa minhas aulas na faculdade, e tá apertado. Mas, prometo que não vamos abandonar o blog. Abraços e até a próxima.


quinta-feira, 3 de julho de 2014

[Resenha] Liberta-me

Autora: Tahereh Mafi
Editora: Novo Conceito
Páginas: 444

ATENÇÃO: ESTA RESENHA E A SINOPSE PODE CONTER SPOILERS DO PRIMEIRO LIVRO, ESTILHAÇA-ME (resenha de Estilhaça-me aqui).

Sinopse: Liberta-me é o segundo livro da trilogia de Tahereh Mafi. Se no primeiro, Estilhaça-me, importava garantir a sobrevivência e fugir das atrocidades do Restabelecimento, em Liberta-me é possível sentir toda a sensibilidade e tristeza que emanam do coração da heroína, Juliette.

Abandonada à própria sorte, impossibilitada de tocar qualquer ser humano, Juliette vai procurar entender os movimentos de seu coração, a maneira como seus sentimentos se confundem e até onde ela pode realmente ir para ter o controle de sua própria vida. Uma metáfora para a vida de jovens de todas as idades que também enfrentam uma espécie de distopia moderna, em que dúvidas e medos caminham lado a lado com a esperança, o desejo e o amor. A bela escrita de Tahereh Mafi está de volta ainda mais vigorosa e extasiante.

"Há momentos em que é preciso decidir-se"

Liberta-me é o segundo livro da trilogia Estilhaça-me, de Tahereh Mafi, que conta a história de Juliette, uma garota com um toque letal dom.

No segundo livro, Juliette e Adam estão abrigados no Ponto Ômega, que é um local subterrâneo onde pessoas com habilidades especiais treinam e se organizam para uma batalha contra o Reestabelecimento, para tira-los do poder.

Só que a convivência com tantas pessoas da medo em Juliette, já que com apenas um toque ela pode matar uma pessoa. Ela irá receber ajuda de Castle e principalmente de Kenji que iram ajuda-la nessa questão e, estarão sempre a seu lado para ajuda-lá a controlar e entender a sua habilidade.

Ao longo da história, Juliette irá se reencontrar com Warner, e a partir dai, ela ficará cada vez mais confusa em questão de seus sentimentos. Segredos iram ser revelados e até um triangulo amoroso será formado.

Mas, isso não é nada, Juliette terá que lutar, e deixar de pensar apenas nela, pois o mundo está em guerra, e precisará decidir-se ao lado de quem lutar.

"Deve ser ótimo passar a vida com tanta confiança." - Página 315

Em Liberta-me, Juliette continua com seus medos, suas angustias e duvidas, mas tudo me surpreende durante toda a história, é assim que eu gosto.

Não é novidade que eu tenha gostado do livro, fiquei super fã da história já no primeiro livro e agora no segundo, isso só aumentou, preciso urgente do terceiro. O livro tem muito romance, mas a história não fica presa nisso, o que não te deixa com tédio, tem muita ação, conflitos e suspense.

Um personagem que eu gosto muito, é o Kenji, e merece destaque, ele é inteligente, engraçado, sincero e sempre está disposto a ajudar Juliette, ele se torna um grande amigo da mesma. Já Warner, surpreende todo mundo, fiquei de queixo caído em vários momentos, e como eu disse na primeira resenha, eu odiei, amei, odiei e amei ele de novo.

Tahereh, faz você viver a história de Juliette e te faz ficar presa a história, quando acabou eu achei que eu iria ficar com depressão, o final me surpreendeu, e quem lê minhas resenhas, sabe o quanto eu gosto disso em um livro. E eu estou intrigada com alguns fatos, que eu espero que seja revelado no terceiro livro.

Recomendo, e recomendo muito, uma unica crítica negativa que eu vou dar ao livro é referente a capa, que é, na minha opinião, muito feia, sinceramente não gostei, não chega nem aos pés da capa do primeiro livro. Fora isso, não tenho outras críticas negativas. Vou tirar pontos só por causa da capa. Então:

Nota: 9,5/10